LOADING

Type to search

Share

Quem nunca teve curiosidade em conhecer a terra dos Czares? O país continental que já foi império de Ivan, o terrível, berço da suntuosidade e riqueza dos Romanov, que já enfrentou invasões de todos os tipos – de Napoleão aos nazistas – e que por mais de 70 anos esteve sob um regime comunista. E que é tão rico culturalmente quanto em sua natureza.

A Rússia tem parte de seu território na Europa, parte na Ásia, mas seu povo se considera simplesmente “russo”. As influências dos dois continentes estão presentes, tornando ainda mais diferente e encantadora esta terra cheia de história, lendas e beleza.

Mas a Rússia também é conhecida por ser uma país com algumas dificuldade para os turistas. Talvez pelos anos fechados do regime comunista, talvez pelo forte nacionalismo de seus cidadãos.

Escolhemos visitar a terra de Rasputin no ano em que o país se preparou para receber a Copa do Mundo Fifa. Imaginamos que o ambiente já estivesse mais preparado para receber turistas do mundo inteiro. Mesmo assim, na semana que passamos entre São Petersburgo e Moscou, percebemos muitas dificuldades que não são comuns nem mesmo em países com menos tradição em turismo.

Por isto, resolvemos postar aqui um pequeno guia com dicas que podem facilitar sua viagem e tornar seus dias mais encantadores nesse país incrível. Anota aí!

 

IDIOMA

Você já deve ter ouvido falar que os russos não falam inglês. E não é exagero. Mesmo pessoas mais jovens, policias, e – pasmem! – casa de câmbio, é difícil encontrar quem se comunique em inglês. Ok, ok, os brasileiros também não falam na sua maioria… mas a situação piora porque o povo russo, em especial em Moscou, é um pouquinho rude, eu diria. Para não dizer grosso. Segundo nossa guia Anastassia (no final do post tem o contato dela), os russos são criados para “não sorrir”. Sorrir à toa é sinônimo de “ser bobo”. Então imagina…

Para complicar ainda mais, o alfabeto russo é o cirílico. Então, até a leitura dos locais, ou estações de metrô, por exemplo, ficam complicadas. E as placas, em sua maioria estão nesse alfabeto.

Nossa primeira dica então é: aprenda algumas palavras básicas. Parece complicado, mas no fundo não é. A maioria das letras tem som equivalente ao nosso alfabeto. Então você pode “traduzir” algumas palavras-chave como restaurante ресторан (“restoran”) ou como супермаркет (“supermarket”). A tabelinha abaixo pode te ajudar. E se você, como eu, gostar de idiomas, vai ver que em alguns dias já começa a “entender” alguns sons.

VISTO , VACINAS E SEGURO SAÚDE

O Brasil tem um acordo com a Rússia que isenta a necessidade de visto de turismo para até 3 meses. Cuidado se você tiver passaporte europeu, neste caso é necessário visto.

IMPORTANTE: ao entrar no país, seja pelo aeroporto, seja por trem (neste caso isso acontece dentro do trem), o pessoal da imigração vai carimbar o passaporte e te dar um formulário para preencher. Eles vão carimbar este papel, e você deverá mantê-lo junto com o passaporte durante todo o tempo que permanecer na Rússia, pois sem ele, seu “carimbo” e seu passaporte não valem nada.

Não é exigido a apresentação de Seguro Viagem/Saúde nem de Carteira de Vacinação, no entanto, se você vem de alguma área com surtos de febre amarela, tome a vacina 10 dias antes e emita o certificado internacional. Nunca é demais…

Mesmo não sendo obrigatório Seguro Viagem, a gente sempre recomenda fazer um antes de viajar. Nunca se sabe quando vai ser preciso. Para cotar seguro com desconto, clique AQUI.

 

DINHEIRO

A moeda russa é o Rublo. A cotação atual (abril de 2018) é esta:

1 real = 18 rublos

1 euro = 76 rublos

1 dólar = 61 rublos

Para não enlouquecer fazendo contas, a gente recomenda ter no celular o aplicativo Currency. Ele atualiza as cotações quando você estiver com rede (wi-fi ou dados) e você pode fazer conversões de várias moedas ao mesmo tempo.

App XE-Currency

As casas de câmbio não aceitam reais, então leve dólar ou euro. Pouquíssimos lugares aceitam euros, mas a maioria dos estabelecimentos aceita cartões de crédito, com exceção do American Express.

DICA: se você entrar no país de trem por São Petersburgo (como nós fizemos via Helsinki), tente trocar rublos antes de embarcar, pois a chegada na estação é bem confusa e você pode não encontrar de cara uma casa de câmbio.

Os preços na Rússia não são nada de outro mundo (como na Noruega, por exemplo). Você pode ter uma boooooa refeição (com dois pratos, vinho ou vodka e sobremesa) por 1.500 rublos, em torno de 80 reais. Você encontra restaurantes com preços variados, e também dá para comprar no mercado e garantir uma refeição mais em conta. (mas daí prepare-se para encarar os rótulos em russo)

 

INTERNET

Apesar de termos lido que havia wi-fi em vários locais, inclusive no metrô, constatamos que sim, ele está lá, presente. Só que, para nossa surpresa, a maioria dos acessos exigia a confirmação por SMS ????!!! Ou seja, inviabiliza a conexão.

Testamos também abrir o roaming internacional (no caso, com chip da Vivo). Aí descobrimos que, o Kremlin restringe a rede de dados em vários locais da capital, ou seja, mesmo pagando a taxa de roaming, o 4G raramente funcionava.

A solução é usar um chip internacional, como o Mysimtravel, ou um chip local, que você pode comprar no aeroporto mesmo, nas operadoras MTS, Beeline ou Megafon. Um chip da MPS com 3Gb custa 800 rublos (cerca de 44 reais). E com a linha russa, você pode aproveitar e usar as conexões de wi-fi que pedem SMS para cadastro.

 

TRANSPORTE

Daremos aqui as dicas de transporte nas duas principais cidades da Rússia: São Petersburgo e Moscou. Ah! Se puder escolher, comece por São Petersburgo (que tem um ar mais europeu – contaremos essa história em outro post) e termine em Moscou.

 

SÃO PETERSBURGO (clique AQUI para ler o post com todas as dicas da cidade)

Você pode chegar em São Petersburgo de avião, trem ou navio. Nós chegamos de trem, vindos de Helsinki, na Finlândia. A viagem entre as duas cidades custa cerca de 46 euros, dura 3h20 e pode ser comprada online pela companhia finlandesa VR.

A imigração é feita no próprio trem: antes da fronteira com a Rússia, oficiais finlandeses verificam os passaportes. Estes descem do trem na última parada da Finlândia. Após a travessia da fronteira entram oficiais russos, que também verificam todos os passaporte, dando os vistos. Dica: o Taxfree também é feito dentro do trem, para compras feitas em toda a Escandinávia.

O trem chega na estação Finljandski, ao lado dela está a estação e metrô Ploschad’ Lenina (ou Lenin Square).

Metrô

Iniciado em 1941, o metrô de São Petersburgo tem cinco linhas e quase todas as atrações turísticas estão próximas a alguma estação. Ele funciona das 5h30 à 1h e, ao contrário de Moscou, as estações têm placas em inglês. A arquitetura majestosa das estações é uma atração à parte (que também será assunto de outro post).

A passagem unitária custa 45 rublos, mas há passes para 10 ou mais viagens. Todos os valores podem ser confirmados AQUI.

Metrô de São Petersburgo

Mapa do Metrô de São Pestersburgo

 

Taxi

Não recomendamos usar taxi. Os motoristas não falam inglês e há vários casos em que tentam cobrar valores mais altos. A dica é usar aplicativos como o Uber, que funciona bem.

Aeroportos

Aeroporto de Pulkovo: é o único aeroporto da cidade e fica a 23 km do centro. Não há trem ou metrô que leve até o centro da cidade. Mas você pode pegar algumas linhas de ônibus ou minivans que levam até a estação de metrô Moskovskaya:

– Ônibus Linhas 39 e 39EX (das 5h25 à 1h30): levam de 20 a 35 minutos e custam 40 rublos

– Minivan Taxi K39 (das 7h às 23h30): leva de 30 a 35 minutos e custa 40 rublos

O taxi do aeroporto até o centro custa entre 900 e 1100 rublos e leva entre 30 e 60 minutos, dependendo do trânsito.

 

TRANSPORTE ENTRE SÃO PETERSBURGO E MOSCOU

Para ir de uma cidade a outra, a melhor maneira é  usar o trem de alta velocidade SAPSAN, que faz o trajeto de mais de 700km em menos de 4 horas. Você pode comprar a passagem pelo site russiantrain.com e imprimir.

O trem é super confortável em todas as classes. Pagamos 60 euros por pessoa (num grupo de 6). A passagem para grupos sai mais barata, mas não varia muito mais que isso.

Só tenha cuidado para comprar o trem de alta velocidade, pois há outros que fazem o trajeto em mais horas.

Trem São Petersburgo – Moscou

 

MOSCOU

O trem chega em Moscou na Leningradskaya Station, onde você pode pegar, logo na frente o metrô na estação Komsomol’skaya (linhas 1 vermelha e 5 marrom, que é a chamada perimetral), chegando a quase todos os lugares da cidade.

Metrô

Prepare-se, apesar de ser fácil de usar, a sinalização das estações está, na sua maioria em russo, e, em cirílico. Há bastante policias circulando, mas quase nenhum fala inglês. Recomendamos imprimir o mapa abaixo para saber entender os nomes das estações que, como em São Petersburgo, também tem algumas que são verdadeiras obras de arte.

Para comprar o bilhete há máquinas (fáceis de usar) e guichês, onde na maioria uma atendente fala inglês (mais ou menos, mas fala). O bilhete custa 55 rublos, e há opções de bilhetes múltiplos também.

Como na maioria dos locais turísticos de Moscou, há dectetores de metais na entrada das estações. Se você estiver levando malas, vai ter que passar por eles.

A profundidade do metrô é surpreendente, pois foi construída na época soviética e já pensado como uma proteção para possíveis bombardeios.

Mapa Metrô de Moscou

Aeroportos:

Moscou tem três aeroportos internacionais. Cuide ao comprar sua passagem para saber onde você vai desembarcar.

Aeroporto Internacional Sheremetyevo: maior aeroporto da Rússia,  fica a 29 km do centro de Moscou.

Aeroporto Internacional Domodedovo: é o maior aeroporto em termos de tráfego de passageiros e fica a 50 km do centro. Nele chegam a maioria dos voos vindos da Europa.

Aeroporto Internacional Vnukovo: é menor e fica a 30 km do centro.

Para chegar ao centro da capital russa, também não recomendamos táxi. Primeiro porque os taxistas raramente falam inglês, e em alguns casos também podem tentar te enganar. Se for escolher ir de carro, use Uber. O aplicativo funciona perfeitamente por lá.

Mas os três aeroportos são atendidos pelo AeroExpress, serviço de trem que leva até as estações de trem no centro da cidade. A passagem custa 470 rublos (de qualquer um dos aeroportos), em torno de 25 reais, e a viagem leva em média 30 a 40 minutos, dependendo de qual deles. O trem sai de meia em meia hora a partir das 5h até 23h30. Há guichês nos aeroportos para comprar a passagem com cartão de crédito, ou a compra pode ser feita pelo site e pelo aplicativo da empresa.

O AeroExpress te deixará em uma estação de metrô, de onde você poderá seguir para quase todos os pontos de Moscou.

 

SEGURANÇA

Não nos sentimos inseguras em nenhum lugar de São Petersburgo ou Moscou. Há bastante policiais pela rua, e as nossa guias (falaremos mais sobre isto ainda neste post) nos tranquilizaram bastante sobre o tema.

A única recomendação que nos deram foram os “pick-pockets”, ou seja, cuidar sempre das bolsas, e deixar passaportes no hotel, pois não é necessário andar com eles por lá.

Polícia no entorno da Praça Vermelha

TEMPERATURA

A Rússia é conhecida pelo frio intenso de seu inverno, de novembro a março. Se você gosta, tudo bem, mas com certeza fica tudo mais complicado pelo excesso de neve, praticamente impossibilidade de andar na rua, rios congelados e dias muito curtos.

O verão (junho, julho e agosto) é uma época boa, porque as temperaturas são mais agradáveis, perto dos 20ºC, e os dias são mais longos. No entanto chove mais e é tudo muito lotado, além dos preços aumentarem (motivo pelo qual não escolhemos a época da copa também).

Outono e primavera para nós são as melhores épocas, pois as temperaturas ficam razoáveis, os dias são de um tamanho “normal”, bom para aproveitar e turistar, e não é tão cheio de gente. Nós estivemos entre 2 e 8 de abril. Pegamos as cidades ainda com neve e temperaturas perto de zero grau, mas segundo os russos, este inverno foi atípico e se estendeu um pouco mais.

Mar congelado em São Petersburgo

Nosso boneco de neve no Castelo de Catarina

Para nós, foi até mais bonito, pois tivemos dias de sol com paisagens lindas de rios congelados e campos branquinhos. Ainda tivemos a sorte de pegar a época de Páscoa ortodoxa, com as ruas enfeitadas, cheias de ovos gigantes imitando os famosos Fabergés.

OBS: os cristãos ortodoxos seguem o calendário Juliano (não o gregoriano, como nós), por isto algumas datas como Natal e Páscoa, não acontecem nos mesmos dias que para a gente). Este ano, a Páscoa caiu uma semana depois da nossa.

Imitação de ovos “Fabergé” gigantes enfeitando as ruas de Moscou

 

Datas para evitar:

– 9 de maio: feriado em comemoração ao Dia da Vitória (rendição nazista de 1945). Tudo está fechado, praças e monumentos mais importantes estão lotados para comemorações;

– Última semana de agosto e primeiras semanas de setembro: comemorações do aniversário de Moscou, então fecham a praça vermelha.

DICA: se for em época de frio, lembre-se que nos lugares fechados a calefação é intensa. Então vale apostar no super casaco, lucas, gorro, etc, mas por baixo ter uma roupa mais leve. Senão você vai fritar cada vez que entrar em algum lugar.

 

QUANTO TEMPO FICAR

Acreditamos que 3 dias inteiros em São Petersburgo e 3 dias inteiros em Moscou dá para conhecer as duas cidades. Mas se ficar mais, com certeza vai aproveitar com menos correria. Mais que 4 dias já acho exagero.

 

COMIDA

A comida russa nos surpreendeu. É simplesmente maravilhosa. Vai muito além da vodka e do strogonoff. Uma acompanhamento que aparece em quase todos os pratos é o Smetana (сметана), que é tipo uma coalhada. Eles colocam nas sopas, nas massas, no caviar, em tudo!

A gente recomenda que você não saia da Rússia sem provar algumas destas delícias:

Pelmeni

Junto com o strogonoff, acho que foi o que mais comemos por lá. Parece um ravióli, recheado com “almôndegas” feitas de vários tipos de carnes, de vaca a urso! Tem também de cogumelos. E todos vêm acompanhados de Smetana. Realmente uma delícia!

Borscht

É uma sopa feita de beterraba, com outros ingredientes que podem variar: batata, cenoura, pepino, repolho, carne. Também é servida Smetana. Não achei muito saborosa, o Smetana salvou. Mas pode ter sido o restaurante que provei.

Caviar

Não tem como não provar. Está por toda parte. O vermelho, de ovas de salmão é bem mais barato, e negro, de ovas de esturjão é caríssimo. A Amanda adorou! Até compramos no supermercado. Obviamente, vem acompanhado de Smetana… hahahahah

Panqueca com caviar e Smetana

Strogonoff

Obviamente que comi muuuuitos por lá. É bem parecido com a versão que conhecemos, e é servido, em sua maioria, com purê de batatas. Tem versões com outros tipos de carne, mas o mais tradicional é o bovino mesmo. Eu adorei!

Carne de Veado

Prove, prove e prove! É uma delícia! Há vários pratos com ela. Só cuidado para não pedir os pratos de fígado de veado (caso você não goste de fígado), que também são muitos.

Honey Cake ou Medovik

Isto foi a minha tentação! Provei pelo menos uma por dia! Devo ter engordado uns 3kg só por causa dela. É um torta em camadas de bolode mel, caramelo e smetana. Simplesmete deliciosa!! E olha que eu não sou muito de doces (com exceção de chocolate). Quem souber onde encontrar isto em São Paulo, por favor me avise urgente!

Vodka

Finalnente ela: a bebida nacioal russa! Tome pura, como uma espécie de shot antes do jantar. A variedade é imensa, mas recomendamos prova a Beluga. Se estiver frio, com certeza vai ajudar a aquecer e abrir o apetite!

PONTOS TURÍSTICOS

Teremos posts específicos falando dos locais lindos que visitamos. Se não aguentar a ansiedade pode dar uma olhadinha lá no instagram do Vai Para o Mundo, que já tem algumas dicas. Mas para completar este “post-guia”, vamos numerar alguns lugares imperdíveis nas duas cidades para que você possa programar sua viagem:

 

São Petersburgo:

– Igreja do Sangue Derramado

– Museu Hermitage (Palácio de Inverno)

– Catedral e Fortaleza de São Pedro e São Paulo

– Catedral de São Isaac

– Catedral de São Nicolau

– Palácio da Catarina

 

Igreja do Sangue Derramado

 

Moscou:

– Praça Vermelha

– Kremlin

– Catedral de São Basílio

– GUM (Shopping Center)

– Tour pelas estações do metrô

– Bunker 42

– Catedral do Cristo Salvador

Kremlin à noite

HOSPEDAGEM

Sempre usamos o Booking para reservar hospedagem Tanto em São Petesburgo quanto em Moscou reservamos apartamentos, já que éramos um grupo grande.

Em São Petersburgo tivemos problemas com a hospedagem (contaremos em breve o que aconteceu), mas recomendamos ficar perto da avenida Nevsky, que é a principal da cidade, onde tem metrô, e de onde você terá acesso fácil aos principais pontos turísticos. Neste LINK você encontra algumas ofertas na região.

Em Moscou recomendamos muito o Mama Ro Apartments. São vários lofts com uma decoração incrível e super bem localizados. O serviço é 24 horas (praticamente um hotel). Só a internet ficou um pouco a desejar, mas compensa.

 

GUIAS

Por fim, mas MUITO IMPORTANTE, queremos falar sobre guias.

Normalmente a gente não contrata guias, preferimos visitar por nós mesmas, depois de ler sobre os locais. Mas na Rússia já sabíamos que seria diferente. Sabíamos que haveria dificuldade com o idioma e até para comprar ingressos e passeios.

Então contratamos guias que falam português, e foi uma das melhores coisas que fizemos. Além de facilitar a comunicação, agilizar o transporte (elas providenciam vans, transfers, bilhetes de metrô, etc), já garantir ingressos e acessos, o conhecimento de história e cultura do país das meninas foi imprescindível para nossa experiência.

O valor que elas cobram varia do tour que vai ser feito, se tem entradas em museus ou atrações, se inclui transporte ou não, e a quantidade de horas. E normalmente elas cobram em euros. Algumas cobram por hora, outras cobram um pacote. Em média gastamos em torno de 95 euros por pessoa para cada dia de guia (isso inclui a van com motorista, entradas para museus, metrô, transfer para o aeroporto ou estação de trem e o trabalho delas). Acho sinceramente que valeu muito a pena.

Por isso, recomendamos MUITO a Annastassia e a Ania. Pode contatá-las que você não vai se arrepender.

 

Em São Petersburgo:

Anastassia Bytsenko:

WhatsApp +7 921 384 47 45

 

Em Moscou:

Ania Nasonova:

WhatsApp +7 926 552 21 77

e-mail [email protected]

 

Acho que com estas dicas você vai conseguir ter uma viagem ainda mais legal para este país incrível que é a Rússia! Quer tirar mais alguma dúvida? Tem alguma sugestão? Deixa um comentário que a gente responde rapidinho!

 

Tags:
Gabi Brunelli
Gabi Brunelli

Gaúcha que nasceu em São Paulo, mãe da Luiza, apaixonada por viagem, mergulho, fotografia e futebol. Descobriu que sofre de crises de abstinência se não tiver pelo menos dois roteiros já planejados. Nem que seja até a cidade ao lado. Publicitária de formação, curiosa por opção.

    1

You Might also Like

2 Comments

  1. Avatar
    Malu Bierrenbach 18 de novembro de 2019

    Oi Gabi,
    Vou para Russia ano que vem com marido e 2 filhas.
    Queria saber se, ao contratar as guias russas, elas compraram, antes de vcs chegarem, ingressos para atrações, bilhetes de metrô OU se fizeram isso com vcs lá. Só pra entender como funciona.

    Adorei teu post, super explicativo!
    Obrigada

    Responder
    1. Gabi Brunelli
      Gabi Brunelli 23 de novembro de 2019

      Oi Malu!
      Elas compram as atrações que precisam ou que valem a pena serem compradas antes, como o Kremlin, por exemplo. Mas tudo é negociável. Só combinar com elas como for melhor para vocês.
      Obrigada pelo comentário!! Depois nos conta como foi sua viagem!
      Beijos!!!
      Gabi

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: