LOADING

Type to search

Budapeste: conheça esta joia do leste europeu

Amanda Schenkel
Share

Budapeste, capital da Hungria, não costuma ser uma primeira opção de viagem. Normalmente entra em roteiros de quem planeja conhecer o leste europeu, ou cidades como Praga e Viena, por exemplo. Esse foi o nosso caso. Eu e duas amigas planejávamos uma viagem por essa região e incluímos Budapeste por estar no meio do caminho. O que encontramos foi uma cidade incrível, linda e com um povo mais lindo ainda. Nesse post, vou falar um pouco do que vimos e dar dicas práticas pra que você inclua essa joia em sua próxima viagem ao velho continente.

Como chegar em Budapeste

Como em praticamente todos os lugares da Europa, você pode chegar de avião, mas também de trem, ônibus ou barco.

Não há voos diretos partindo do Brasil até lá. Você precisará fazer conexão em alguma cidade da Europa. O mais bacana é comprar uma passagem pra alguma dessas cidades e depois seguir de trem ou barco. Assim, é possível conhecer mais de um destino e desfrutar de experiência e paisagem diferenciadas. O trecho entre Viena e Budapeste leva em torno de 2 horas e as estações ficam no centro das cidades, o que facilita a locomoção em relação aos aeroportos, que costumam ser mais afastados. Você pode pesquisar preços e horários dos trens clicando aqui.

Pra quem tem mais tempo e precisa economizar uma grana, uma excelente opção é ir de ônibus. Você pode pesquisar passagens neste link.

E, finalmente, o barco, saindo de Viena ou Bratislava. Essa com certeza será uma experiência maravilhosa. Os barcos operam entre abril e outubro. Para pesquisar horários e valores clique aqui.

Onde ficar

Sempre é interessante se hospedar em locais mais centrais. Budapeste é uma cidade dividida pelo Rio Danúbio em duas regiões: o lado Buda e o lado Peste. Nos hospedamos no lado Peste, onde ficam o Parlamento, a Ópera e o Szimpla Kert, um bar ruína muito bacana, não deixe de ir lá. O lado Buda é um pouco mais residencial, portanto com menos opções noturnas. Nos hospedamos em um hostel muito legal, o Maverick City Lodge. Super bem localizado e com ótimos preços.

Szimpla Kert

Onde comer

Budapeste é uma cidade bem mais barata que outras cidades europeias e com uma gastronomia deliciosa.

Estivemos lá em 2015, por isso fui buscar dicas com um amigo que esteve lá este ano, o Fellipe Faria, que me indicou um restaurante com estrela Michelin chamado Borkonyha Winekitchen. Segundo o Fê, apesar de ser um restaurante estrelado, o preço é ótimo, assim como a comida e o atendimento. #ficaadica

Não deixe de provar o famoso Goulash, prato tradicional da região. Um maravilhoso cozido de carne com um molho delicioso pra ser comido com pão. Recomendo!

Ah, não esqueça de comer um doce no tradicional Café Gerbeaud, fundado em 1858. O lugar é lindíssimo e os doces são incríveis! Não perca!

Como se locomover

É possível conhecer a maior parte dos pontos turísticos andando. Inclusive indico fazer um free walking tour. Existem vários guias espalhados pela cidade que te mostram tudo, contam a história e, ao final, você paga quanto achar que vale o trabalho do cara. A nossa guia era menina bem nova, mas que conhecia tudo na cidade. Foi ótimo.

Apesar de poder fazer praticamente tudo a pé, vale muito a pena conhecer as estações de metrô. Um dos mais antigos do mundo e sem nenhuma catraca ou funcionários. Tudo na base da confiança. Maravilhoso.

Há ainda os bondes que te levam por toda a parte e os táxis que não são caros.

I am text block. Click edit button to change this text.

O que fazer

Caminhando pela cidade você já vai ficar encantado com tudo o que estiver pela frente. Porém, separamos algumas coisas que você não pode deixar de fazer.

Ponte das Correntes: ela separa o lado Buda do lado Peste e é simplesmente maravilhosa!

Castelo de Buda: antiga residência dos reis Húngaros, o castelo hoje abriga uma biblioteca, uma galeria de arte e um museu.

Igreja de Mathias: fica próxima ao castelo e é linda! Seu telhado colorido é uma característica do império austro-húngaro. É aberta pra visitação mediante pagamento de ingressos.

Esculturas: a cidade está repleta de estátuas por todos os cantos. São obras que contam um pouco da história do lugar. Em muitas delas, há a tradição de esfregar a mão em alguma parte específica pra trazer sorte. Nessas partes, as estátuas ficam mais brilhantes. As mais curiosas são o policial gordo, na qual deve-se passar a mão na barriga e a pequena princesa, onde o alvo são as pernas.

Às margens do Danúbio, está a obra mais emocionante da cidade. Uma homenagem aos judeus que foram fuzilados e jogados ao rio durante a Segunda Guerra. Antes de serem mortos, eles tinham que se desfazer de seus pertences e, na época, sapatos eram bastante valiosos. A obra traz esses sapatos esculpidos em ferro na beira do rio. É bastante impactante.

Monte Géllert: não deixe de subir e aproveitar pra ver Budapeste de cima! Nós optamos por ir ao final da tarde e ver a cidade toda iluminada ao cair da noite. Budapeste tem uma iluminação especial para seus monumentos e é possível identificá-los lá do alto. Nós subimos a pé e foi beeeem difícil, depois vimos que poderíamos ter subido de táxi. #ficaadica

Passeio de barco pelo Danúbio: como já falei anteriormente, Budapeste ilumina seus monumentos com luz especial, sendo assim, o passeio de barco pelo Danúbio é tão bonito quanto passear pelo Rio Sena em Paris. A dica é ir ao final da tarde, porque na ida estará claro e na volta você poderá ver a cidade luz na qual Budapeste se transforma.

Banhos termais: Budapeste ganhou o título de cidade dos balneários por possuir 118 mananciais de onde brotam águas termais. Portanto, ao visitar a cidade, não deixe de conferir essa experiência. Mais uma vez, vou usar a dica do meu amigo Fellipe Faria que esteve lá recentemente. Ele me contou que foi ao Balneário Rudas. Segundo ele, um pouco menos turístico e com uma jacuzzi com vista para o Danúbio. Mas há várias opções pra escolher. O importante é confirmar se a casa de banhos tem piscinas mistas, porque alguns locais separam dias para banhos de homens e mulheres.

Szimpla Kert: Definitivamente nosso bar preferido em Budapeste e talvez o mais famoso bar ruína do local! O lugar é lindo, com uma decoração muito diferente e perfeito pra tomar cerveja e palinka ao final do dia de passeio. Nosso hostel, ficava estrategicamente pertinho de lá. Não somos bobas. Hehehehe… Não deixe de provar a palinka, tradicional bebida húngara. Uma espécie de cachaça feita de frutas locais. Muito boa!

Essas foram algumas dicas sobre essa cidade que nos de ficar apaixonadas. Se você se interessou e for até lá, certamente encontrará outras várias coisas bacanas que não foram ditas aqui. Aí, conta pra gente quando voltar!

Tags:
Amanda Schenkel
Amanda Schenkel

A carioca mais gaúcha que existe. Apaixonada por comunicação, descobriu após sua primeira Eurotrip a paixão por viajar e a partir daí, entendeu que seu propósito de vida é conhecer a maior quantidade de lugares, provar a maior quantidade de sabores e conviver com a maior quantidade de pessoas.

    1

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: